14 de dezembro de 2010

Soltar da tua mão quando se estava pendurado e querer dizer que seria difícil porque já sabíamos o quão difícil seria, mas não nos desapontamos a ponto de sumir, nos desapontamos para sempre, nos desapontamos até eu parar de te conhecer, porque é o que fazemos de melhor um ao outro, e eu te seguraria por inteiro nas mãos, mesmo que não coubesse, não tem furos nas minhas mãos. Não furaria com você.
Dizer adeus-meu-amor não foi conforme o planejado.
Aliás, o que foi conforme?!

3 comentários:

Maíra disse...

Olá. Adorei seu blog, é uma graça!! Estou te seguindo! Aparece lá no meu http://mairacintra.blogspot.com/ e segue se gostar!
valeu, beijos!

Lidiane Agostini disse...

Olá estive observando seu blog e gostei muito do q li ..
estou à lhe seguir...
espero q visites minha janelas tbm ..
beeijinhos :**

rama disse...

Escreves muito bem ! Parabéns! :)
Se quiseres passa no meu cantinho e diz o que achas ;)